Mulher presa por esquema de aborto em hotéis de BH medicava gestantes com remédio de vaca

Presa em flagrante no início de setembro, universitária de 37 anos quase matou uma cliente grávida de oito meses e seu bebê

Publicidade

Mais de 200 abortos realizados durante três anos, em mulheres grávidas de até sete meses, mediante pagamentos que variavam de R$ 3 mil a R$ 8 mil reais, de acordo com o estágio de gestação. Amplo conhecimento sobre medicamentos - alguns deles de uso veterinário e administração controlada com rigor até mesmo em animais. Uma rotina de trabalho disciplinada, que não ultrapassava o horário comercial, mantida dentro de 24 hotéis confortáveis da capital mineira

O "currículo" é de Luciane Fernandes Ferreira, de 37 anos, acusada de comandar ume esquema de abortos clandestinos com extensa clientela no Brasil e no exterior. Estudante de jornalismo, ela se passava por enfermeira e foi presa em flagrante em 6 de setembro deste ano na Região Leste de BH, durante o atendimento de duas mulheres. Ambas estavam prestes a tomar remédios abortivos. 

Solta após 21 dias de prisão sob alegação de que precisava cuidar do filho de seis anos, ela responde processo em liberdade. Concluídas as investigações, a Polícia Civil de Minas Gerais deu detalhes sobre os crimes - incluindo um caso de aborto malsucedido realizado em uma moça de Formiga, Região Centro-Oeste de Minas, que resultou em hospitalização em estado grave da mãe e do bebê

As informações são do programa Fantástico. 

Segundo revelou o delegado Emerson Moraes à TV Globo, a universitária ministrava nas grávidas uma medicação injetável, frequentemente utilizada no meio veterinário para dilatar as tetas de vacas para ordenha. A substância é usada com restrição até mesmo nos bovinos, considerando seus efeitos colaterais. 

Obstetras ouvidos pela reportagem ressaltam que os remédios, além de não serem adequados para uso humano, eram administrados em dosagens altíssimas, visando obtenção de rápido resultado. 

Conforme publicado pelo Estado de Minas em 7 de setembro, a suspeita da polícia é de que os medicamentos eram obtidos com a ajuda de uma quadrilha ancorada no Paraguai

Em áudios de WhatsApp obtidos pelos investigadores, Luciane explica por que preferia realizar os procedimentos em hotéis. "O meu atendimento é seguro para a paciente justamente por cauda disso também. Em hotel, tem o seu registro de entrada. Qualquer coisa que acontecer comigo ou com você, ou com qualquer pessoa, a família consegue encontrar", diz a gravação exibida pelo Fantástico. 

Erro quase fatal

Uma das pacientes de Luciane, porém, não obteve a assistência segura prometida. Após o aborto, a mulher de 22 anos, grávida de oito meses, expeliu o bebê e percebeu que ele ainda estava vivo

Mãe e filha foram levados em estado grave ao atendimento de emergência de um hospital de Formiga. A criança permanece internada, sem previsão de alta, embora o quadro seja estável.  

Com informações do jornal O Estado de Minas Gerais

Mais notícias

Comentários

Carregando

Assine nossa newsletter e
receba as principais notícias por e-mail

Siga o Maragogi News nas redes sociais